Ararur

by Ararur

supported by
subscribers:
/
  • Immediate download of 10-track album in the high-quality format of your choice (MP3, FLAC, and more), plus unlimited streaming via the free Bandcamp app.

     €7.99 EUR  or more

     

1.
07:31
2.
03:50
3.
06:17
4.
03:45
5.
05:14
6.
05:04
7.
04:23
8.
05:03
9.
02:49
10.

about

News:

WINNERS!!! "Ararur" considered best Jazz Album with Vocals of 2013 by The Independent Music Awards! www.independentmusicawards.com/imanominee/13th/Album/jazz-with-vocals

We also received a Nomination for best Song with "Ela"
www.independentmusicawards.com/imanominee/13th/Song/jazz-with-vocals
-

Ararur were selected as one of the "young creators of 2013" to represent portugal in the "VI Biennial of Young Artists of the CPLP (Community of Portuguese Language Countries)" that will take place between 3 and 8 of December 2013, in Salvador da Bahia, Brasil.

credits

released 09 September 2013

Ararur:

Ângela Maria - Vocals
António Silva - Guitar
João Capinha - Saxophone
Francisco Brito - Double Bass
João Rijo - Drums

All compositions by António Miguel Silva (exept Terra - António Miguel Silva & Ângela Maria Santos)

All Lyrics by Ângela Maria Santos (exept Terra - Poem by Ondjaki)

tags

license

all rights reserved

feeds

feeds for this album, this artist

about

Ararur Portugal

Throughout the world there are reports of a place where thoughts and memories dissolve into the present moment. In the past, scholars, elders and artists everywhere sought this place to achieve their inspiration. This place can be found in all things, in all beings and each one of us. This is where we come to play together and to show our true self. Please join us in this place we call: Ararur. ... more

contact / help

Contact Ararur

Download help

Track Name: Archaïko
Dona Ouroana oiras na rua.
A meu cuidar a devias deixar.
Bailas entre barbas
Mas sois feita de cendal
Suor de homem não falta não no teu estendal!

Dona Ouroana, que deusa tão pagã!
Pago-te dez mil reis
Rua mulher ruim.
Reinas em todo o lado,
Sim és o meu pecado.
Quem dera uma seta a ti não ter lançado.
Track Name: Fado André
Fui andando, carregando
Minha mala de cartão
Vinha vazia
Tão cheia de separação
Resta-me o que trago ao colo

Sentei-me, levantei-me
Mais vale perdida de pé
Eu que estava tão ancorada
Ati, André
Resta-me o Cais do Sodré
Track Name: Ela
Já vai longe mas ainda sei de cor.
O que contou ontem,
Onde foi anteontem,
Há um ano atrás,
Era o seu rapaz.
Vestido a rigor e a ensaiar
O aceno que lhe devia dar.

Vinha sempre airosa,
Era uma moça tão mimosa.
Bordava o dia inteiro
Por amor não por dinheiro.
Pegou no meu lenço de mão
Alfinetou-lhe uma canção.
Eu corei de tanta cor,
Sou um amante amador.

Não dormi uma semana inteira
A pensar na bordadeira,
No seu vestido de chita.
Como ficava tão bonita.

Mal sabia que nela o amor dura um dia.
Vou voltar, à vida de sempre.
Track Name: Terra
o tomate avermelha mundos.
o cheiro da terra perdoa constipações.
folha é parede verde
para sol chegar.
flor é uma outra narina de abelha.
alcunha de qualquer jardim
é biolabirinto.
a mosca exagera em
amizades com a merda.
o pirilampo é a lanterna do poeta.
o porco-espinho exagera em
modos de precaução e
a mandioca tuberculiza o chão.
...
o cheiro da terra rejuvenesce a humanidade.
Track Name: Memória Perdida
Não me é estranho este lugar.
Quem me dera aqui morar.
Quem és tu bengala de mim?
Num tão triste vaguear.

Porque me contas mil e umas histórias?
Querem lá ver?!
És a minha memória.
Pareces ser.
Membro de mim.
Serei Maria e tu o Serafim?

Pareces saber-me de cor.
Será isto o dito amor?
Mortalhas mais um cigarro.
É o fumo da tua dor…